11.9.09

Ao vento




Fui semeado ao vento
nele criei profunda raiz
desapareço num momento
termino estirado em qualquer país

Sinto solidão quando acompanhado
pois este não é o mundo
ao qual fui acostumado

De volta a estaca zero
sei bem quem eu sou
e melhor o que não quero

Sou chegado da dúvida e da dívida
e tudo o que conheci não é capaz
de elucidar esta vida lívida.


por Frank Saiu

7 comentários:

Игорь disse...

Belo poema

Gostei da figura raiz no vento .


abraços

Altavolt disse...

Inspiradíssimo, caro Frank! Quando puder, passe lá no altavolt... Deixei uma tarefinha para o amigo, ok? abraço!

Principe Encantado disse...

Muito lindo parabéns, muito determinado.
Abraços forte

Dri Viaro disse...

Oi passei pra conhecer seu blog, e desejar boa tarde.
bjss

aguardo sua visita :)

Jôice Borges disse...

Putz Frank! Simplesmente adorei! Essa daí me fez pensar até na minha vida... (Acho que estou me vendo nessas palavras). Abraços e saudades!

GUILHERME T DE BASTOS disse...

Aí, Frank, gostei de toda a sua obra postada aqui no qseflog. Seu personagem, o Protágoras, representa muito bem a nossa nova geração. A sátira contida nele é exatamente a mesma que encontramos por aí, no cotidiano das pessoas, das pessoas dignas desta assimiliação, é claro. O que eu quero dizer, caro Frank, é que seu blog é ótimo, atual, inteligente. Inteli-gente mesmo, gente da gente, com um humor gostoso, fácil de pegar; com poemas que mesmo contendo doses de surrealismo faz qualquer um arrepiar-se, sorrir, pensar; com literatura para todos! Parabéns! Tornei-me já seguidor do seu blog e estarei por aqui sempre! Um abraço!

Frank Saiu disse...

Guilherme, valeu mesmo pela visita e principalmente pelos elogios que são um grande incentivo para eu continuar a produzir conteúdo original, mesmo que nem um pouco comercial...rs

Abraço,
Frank.