3.5.08

Recomeço

Hieronymous Bosch, Center panel, 'The Garden of Earthly Delights', 1504



Madrugada inquieta de sono irregular e sonhos inconstantes, eis que vejo em meu quarto a figura mais luminosa que jamais vi, mesmo nos mais brilhantes dias e indaguei: Quem és tu? Um trovão em forma de palavras soou como resposta: Sou o Senhor teu Deus!

Senti uma pontada no estômago e o corpo todo estremecer e pensei: Meu Deus! O que será que eu fiz desta vez?

- Tu tens feito muitas cousas para o bem e para o mal e de todas elas eu sei, mas não tens o que temer, pois que venho apenas indagar-te algo: O juízo final está próximo e quero que me responda para onde desejas migrar tua alma quando este mundo não mais o for?

Passei alguns segundos sem que nada passasse por minha mente até conseguir responder:

- Meu desejo? Pensei que o Senhor fosse o único a decicir e nada do que fosse dito servisse como defesa...

- Tu tens razão, mas eis que deleguei a função para anjos e os encarregados pelo Brasil não concluíram os processos a tempo. Eu sabia que isto aconteceria, mas dei-lhes uma chance. Agora só restou utilizar-me de minha onipresença e onipotência para encerrar o assunto.

- Já que é desta forma - continuei - escolho ficar por aqui mesmo.

- Você o quê??????????????

- Por favor, Deus, não se zangue, pois já li o que pode acontecer quando o Senhor fica assim. Veja bem, a Terra é como um grão de areia poluído flutuando no Universo. Será perfeita para mim e não fará diferença ao Senhor.

- Então assim seja, pois que a tua vontade também será a minha vontade para ti.

- Senhor, se é assim, eu te peço mais um favor... Deixe também uma mulher para servir-me de companheira.

E o trovão em forma de palavras soou pela última vez enquanto a luz desaparecia:

- Ah não...sinto muito, já fiz demais por ti e a última cousa que quero é começar com esta história novamente.

Nenhum comentário: